ATAQUE COM BOMBAS DE GÁS CONTRA AS TESTEMUNHAS DE JEOVÁ EM ANGOLA

As testemunhas de Jeová sofrem retaliação por parte de partido político, em Angola.

 

desmaios-1728x800_c-696x322
Com auxílio dos fiéis da Igreja Testemunhas de Jeová, os efectivos da Polícia Nacional detiveram, ontem, três jovens que supostamente terão espalhado a substância tóxica que provocou os desfalecimentos. (O País)

Os suspeitos detidos afirmam ser militantes do partido UNITA, mas nada oficial os liga ao líder deles Samakuva!

Líderes do partido UNITA, que faz oposição ao governo atual, apontam as testemunhas de Jeová como sendo a causa do seu partido não ganhar as eleições.

O caso ainda está sendo apurado pela polícia local, mas há indícios de que se trata mesmo de retaliação, pelo fato das testemunhas não se envolverem em disputas eleitorais.

Houve um ataque com bombas de gás, em um congresso, que está sendo realizado neste final de semana em Angola. Contudo, muitos membros da religião, que se pronuncia como neutra nas questões de cunho social e político, sofreram agressão por parte de três homens, muitos sofreram irritações leves e mais de 400 pessoas chegaram a desmaiar.

A polícia prendeu três suspeitos e investiga o caso.

Abraão Kituxi, uma das testemunhas oculares, revelou que uma das primeiras pessoas a passar mal e caiu inconsciente foi uma cunhada, ou seja, a Magui que foi imediatamente encaminhada ao hospital municipal do Cazenga, onde foi assistida. “Antes, ela se havia disse que estava a sentir-se incomodada com um cheiro desagradável e eu supús que teria sido de algum de lixo dos camiões de recolha de resíduos sólidos que passaram próximo ao templo”, revelou. Mesmo assim, ao desmaiar, não levou muito a sério, julgando tratar-se de mais uma daquelas crises que lhe afligem quando inala algum cheiro muito activo, e independentemente da composição química, recupera-se facilmente.

Mas a sua dedução caiu por terra ao ver, subitamente, outras pessoas que ocupavam os últimos assentos próximos ao da Magui, queixando-se do mesmo incómodo, estando outras mesmo caindo em cascata. O facto casou um pânico generalizado entre a comunidade que assistia a palestra subordinada ao tema “não desista”. Os que resistiram queixavam-se de dores no peito e às pessoas próximas solicitavam água para beber. Os responsáveis da congregação accionaram imediatamente a Polícia e os Bombeiros que enviaram quatro ambulâncias e três patrulheiros que juntaram-se aos fiéis evacuando os pacientes em viaturas particulares para as unidades sanitárias mais próximas, como o Hospital Municipal do Cazenga e o Hospital dos Cajueiros.

Polícia deteve presumíveis infractores

O produto tóxico que despoletou a situação terá sido espalhada por um grupo presumivelmente constituído por sete indivíduos maiores de idade, três dos quais já se encontram sob custodia da polícia. Após verem os seus intentos concretizados, alguns dirigiram- se a um dos balneários com o propósito de mudar de roupa para não serem reconhecidos, porém, para o seu grande azar, o nefasto odor provocou a mesma reacção aos fiéis que faziam o serviço de protocolo à entrada desses recintos.

“Um dos acusados foi detido numa das casas de banho trocando de roupa, o outro a tentar entrar numa das casas de banho das senhoras com o mesmo propósito e o terceiro a transpor o portão”, afirmou Manuel Ricardo, outra testemunha ocular. Todos não exibiam os crachás que foram distribuído aos participantes no evento pela organização, e um deles transportava um pasta contendo diversas peças de vestuário. A substância tóxica que terá provocado os desmaios, cuja composição química ainda não foi apurada, encontrava-se em recipientes de 750 mil litros de diversas cores, espalhados em locais estratégicos, que já se encontra em posse dos peritos do Serviço Provincial de Investigação Criminal de Luanda e do Laboratório Central de Criminalística.

Demarcados dos desmaios em escolas

O director clínico do Hospital Municipal do Cazenga, Panda Dombaixi, revelou, a OPAÍS, que dos 45 pacientes que assistiram, com idades superiores aos 15 anos, alguns queixavam- se de falta de ar, dores no tórax e tinham os olhos roxos. A maioria foi posta em recuperação no pátio do hospital e os que aparentavam um estado mais grave foram entregues à enfermaria. “Clinicamente não eram casos preocupantes porque alguns pacientes foram recuperando à medida que conversavam com a equipa médica de serviço. Alguns até só com a exposição ao oxigénio natural”, explicou.

O médico Panda Dombaixi esclareceu ainda que esta ocorrência não se associa aos desmaios que ocorreram nas escolas, embora ainda carece de se averiguar as causas reais. “Geralmente quando ocorrerem desmaios em massa, quase sempre está associada a um gás, porque este produto se dispersa com facilidade no ar. Só não podemos precisar com exactidão que tipo de gás terão inalado, mas com certeza terão inalado”, assegurou. (O País)

Por Evan do Carmo

 

2 comentários em “ATAQUE COM BOMBAS DE GÁS CONTRA AS TESTEMUNHAS DE JEOVÁ EM ANGOLA”

  1. Que triste isso! A liberdade de religião deve ser respeitada em qualquer parte do mundo… Ninguém deve ser obrigado a votar a favor ou contra se não quiser!! Infelizmente existem mentes fechadas demais em pleno Sec. 21. Conheço as Testemunhas de Jeová e sei que elas querem apenas difundir o que aprenderam na bíblia, independente se estou de acordo ou não, não devo força-las a fazer algo que não queiram fazer!
    Espero que um dia tudo isso acabe, é muito triste ver atos assim acontecer!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s