Suécia não impõe limites e torna-se exemplo de combate ao vírus

O chefe da autoridade de saúde pública defendeu que o país “não se podem tomar medidas excessivamente rigorosas que têm um impacto limitado na pandemia, mas que ignoram as funções da sociedade”, impedindo-a de funcionar corretamente.

A Suécia tem 2.526 casos confirmados de Covid-19 mas está a tornar-se uma exceção internacional devido à sua resposta ao vírus, avança o ‘Financial Times’. De acordo com o jornal, o país está a manter as escolas abertas e adotou poucas medidas restritivas, embarcando numa “enorme experiência”, segundo um especialista de saúde.

Atualmente, a Suécia é o maior país europeu que não bloqueou as fronteiras e que não impôs restrições de movimentos de pessoas. As escolas até aos 16 anos continuam abertas, muitos cidadãos continuam a ir trabalhar e os transportes públicos estão lotados. “Obviamente que a Suécia se está a destacar”, assumiu o ex-primeiro-ministro.

As autoridades proibiram grandes aglomerados públicos com mais de 500 pessoas, encerraram universidades e aconselharam os trabalhadores a ficar em casa, optando pelo teletrabalho. Esta terça-feira, as autoridades suecas pediram aos restaures e bares para servirem nas mesas, em vez dos bares, uma vez que a proximidade com os empregados é maior.

A Suécia é, atualmente, o 13º país europeu com mais casos de infeção, ficando atrás de Portugal.

Segundo a comunicação social sueca, até ao sábado passado, centenas de pessoas estavam a reunir-se nas estâncias de ski, mantendo a vida social. Ainda assim, é importante lembrar que este vírus atingiu estâncias nas montanhas invernosas da Áustria e de Itália.

O chefe da autoridade de saúde pública defendeu que o país “não se podem tomar medidas excessivamente rigorosas que têm um impacto limitado na pandemia, mas que ignoram as funções da sociedade”, impedindo-a de funcionar corretamente.

Com 2.526 infetados, 44 óbitos e 16 recuperados, “o futuro ainda parece manobrável”, apontou um epidemiologista sueco, ainda que outros especialistas em saúde pública discordem da sua opinião.

A Suécia está à procura de desacelerar a propagação do número de infeção, para garantir que o sistema de saúde não fique sobrecarregado, como já está a acontecer em muitos países europeus. Ainda que as restrições sejam poucas, os especialistas sustentam que as ruas de Estocolmo mudaram drasticamente, com uma redução no número de pessoas que sai à rua.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s